Para onde vão os Guarda-chuvas

O pano de fundo deste romance é um Oriente efabulado, baseado no que pensamos ter sido o seu passado e acreditamos ser o seu presente, com tudo o que esse Oriente tem de mágico, de diferente e de perverso. Conta a história de um homem que ambiciona ser invisível, de uma criança que gostaria de voar como um avião, de uma mulher que quer casar com um homem de olhos azuis, de um poeta profundamente mudo, de um general russo que é uma espécie de galo de luta, de uma mulher cujos cabelos fogem de uma gaiola, de um indiano apaixonado e de um rapaz que tem o universo inteiro dentro da boca.

Um magnífico romance que abre com uma história ilustrada para crianças que já não acreditam no Pai Natal e se desdobra numa sublime tapeçaria de vidas, tecida com os fios e as cores das coisas que encontramos, perdemos e esperamos reencontrar.

Sobre Para onde vão os guarda-chuvas:
«Por vezes, somos deslumbrados por um livro que nos faz sentir pequenos. Para onde vão os guarda-chuvas é um dos mais belos livros que li nos últimos anos.»
Mário Rufino, Diário Digital

«Talvez fosse correcto chamar a Para onde vão os guarda-chuvas o umbigo literário de Afonso Cruz, porque está cá tudo: um primeiro capítulo completamente ilustrado, uma protagonista com a sua saga, parábolas e histórias de santos que não existem, uma bela história exemplarmente construída e até uma brincadeira com o formato livro.»
Ana Dias Ferreira, Time Out

«Um livro de grande fôlego narrativo e lírico.»
José Mário Silva, Expresso

«O aspecto mais notável de Para onde vão os guarda-chuvas é o facto de, com toda esta diversidade - textos, ilustrações, fotografias -, conseguir uma admirável coerência literária. No centro das múltiplas histórias está a noção de perda. Da pior das perdas. A perda de um filho.»
Carlos Vaz Marques, TSF

«No seu mais ambicioso romance, Afonso Cruz fez questão de reunir alguns dos seus muitos talentos: além do ficcionista engenhoso, comparecem o escritor infantil, o ilustrador versátil e o epigramista. [...] Afonso Cruz criou um Oriente mítico, fabuloso, contaminado pelo poder efabulatório das mil e uma noites e por uma raríssima forma de inteligência lírica.»
Ler

«Afonso Cruz pertence a uma rara casta de ficcionistas: os que acreditam genuinamente no poder da efabulação literária. Se isso já era notório nos seus quatro romances anteriores, mais evidente se torna ao concluirmos a leitura deste volumoso Para onde vão os guarda-chuvas. O escritor está agora no auge das suas capacidades narrativas e serve-se delas para criar um Oriente inventado, onde as histórias brotam debaixo das pedras e se entrelaçam com extraordinária coesão.»
José Mário Silva, Expresso

Para onde vão os Guarda-chuvas

19,50 €Preço

© 2020 Livraria Good Books. Ana Teresa Barreiros. 

livraria.goodbooks@gmail.com

Termos de Uso

Política de Privacidade